Portal Brasil  
 
Projeto
Resumo
Objetivo Geral
Objetivos Específicos
Equipe do Projeto
Projetos Componentes
1. Gestão
2. Transgenia
3. Fixação Biológica
4. Zoneamento e Modelagem
5. Impactos e Cenários
6. Sistema de Produção
Comissão avalia plataforma de biocombustíveis da Embrapa
publicado em 15/10/2010

Terminou na quarta-feira, 22 de setembro, o ‘Workshop de Acompanhamento dos Projetos Componentes da Plataforma de Biocombustíveis da Embrapa’. Na sede da Embrapa Tabuleiros Costeiros (Aracaju, SE), pesquisadores, gestores de programas de pesquisa e membros da comissão de avaliação de projetos apresentaram e discutiram resultados de ações de pesquisa com biocombustíveis.

Foram feitas apresentações sobre os projetos ‘Florestas Energéticas na Matriz da Agroenergia Brasileira’; ‘Fontes Alternativas para Produção de Biocombustíveis’;  ‘Produção Sustentável da Cultura da Cana-de-açúcar para Bioenergia’ e ‘Desenvolvimento de tecnologias agro-industriais para obtenção de biocombustíveis derivados de óleos vegetais’, ações que integram o Macroprograma 1 (MP1) da Embrapa, que contempla grandes redes de pesquisa para enfrentar os grandes desafios tecnológicos para a agricultura no Brasil.


Considerados estratégicos para o desenvolvimento do país, os quatro projetos avaliados envolvem centenas de pesquisadores e recursos da Embrapa da ordem R$ 10 milhões e têm a parceria de órgãos financiadores nacionais e internacionais, universidades públicas e privadas e institutos de pesquisa de todo o país e exterior. Mais R$ 40 milhões são investidos por financiadores externos á Embrapa, de acordo como gestor do MP1, Jefferson Costa (na foto, ao fundo, em pé), que coordenou o encontro.

Para Jefferson, uma plataforma de projetos dessa magnitude demanda um processo de avaliação continuada e criteriosa. “Todos os anos nós fazemos acompanhamento e avaliação técnica rigorosa dos projetos. Essa é uma forma de garantir o seu alto nível técnico e científico, e assegurar resultados que atendam às demandas tecnológicas do Brasil. E esses encontros fortalecem o conceito de rede e fazem com que os projetos se interconectem e se fortaleçam”, disse.

As apresentações foram feitas pelos líderes das redes de pesquisa, além dos coordenadores dos projetos componentes e planos de ação. Eles falaram sobre detalhes técnicos das linhas de pesquisa, o percentual de realização de cada projeto até o momento e as principais dificuldades encontradas.

Compõem a comissão de avaliação, além de Jefferson Costa, pesquisadores da Embrapa Soja (Londrina, PR) e Embrapa Agroenergia (Brasília, DF), e representantes do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), do Centro de pesquisas da Petrobras (Cenpes) e da Petrobras Biocombustível (PBio).

Potencial

Segundo Costa, os avanços tecnológicos e científicos que os projetos já começam a agregar à agricultura brasileira são imensos. “Essas redes estão sistematizando os conhecimentos e as tecnologias para o setor, e vão garantir o aproveitamento de todo o potencial bioenergético do Brasil, aprimorando o que já existe e abrindo novas oportunidades para outras fontes de biocombustíveis”, acredita.

A plataforma de pesquisas em biocombustíveis vai ajudar a consolidar as culturas bioenergéticas mais fortes no Brasil, como a soja, o dendê, o pinhão manso e a mamona – que juntas representam 86% da matriz brasileira – e descobrir e apontar o potencial de outras culturas, como o girassol.

A ideia, segundo o gestor do MP1, é investigar o potencial de culturas que não sejam comestíveis, para evitar a competição das matrizes produtivas no espaço rural.

Terminada a avaliação da primeira fase dos projetos, o passo seguinte será a captação de novos recursos para a sua continuação, a fim de validar e consolidar as tecnologias, disponibilizando-as para aplicação.

“Nesta primeira etapa dos projetos, estamos dando respostas ao Governo Federal e a diversas instâncias da sociedade sobre os horizontes bioenergéticos para o Brasil. O próximo passo é colocar essas tecnologias consolidadas ‘na prateleira’ para que os resultados beneficiem a sociedade brasileira”, concluiu Jefferson.

Texto e Foto: Saulo Coelho  (MTb/SE 1065)
Jornalista - Embrapa Tabuleiros Costeiros (Aracaju, SE)
Contatos: saulocoelho@cpatc.embrapa.br / (79) 4009-1381

Mais Informações: sac@cpatc.embrapa.br


Voltar